Abortos em janeiro superam mortes por Covid em 2020

Abortos já ultrapassam casos de morte atribuídos ao Covid-19 desde o início da pandemia

Com informações Conexão Política

Número de mortes causadas por aborto é tão elevado que, somente no primeiro mês de 2021 já supera a marca dos 2,1 milhões de mortes supostamente causadas pelo Covid-19, assim como das principais causas de mortes no mundo: doenças transmissíveis, câncer, fumo e álcool.

Os dados foram divulgados pela ‘Worldometer‘, empresa chinesa de rastreamento de dados estatísticos em tempo real sobre a Saúde global e outros temas, com base em informações da Organização Mundial de Saúde (OMS), da Organização das Nações Unidas (ONU), do Fundo Monetário Internacional (FMI), entre outras instituições.

Vale considerar que a ‘Worldometer’ é uma empresa operacionalizada a partir de um país controlado por uma ditadura comunista, em que informações contrárias à agenda da Esquerda dita progressista são, via de regra, censurados.


Aborto no Brasil

No Brasil, o aborto induzido é considerado crime contra a vida humana previsto pelo Código Penal Brasileiro desde 1984. Realizar um aborto induzido pode acarretar em detenção de um a três anos para a mãe que praticar o aborto ou que dê qualquer tipo de autorização para que outra pessoa o cometa. Neste último caso, a pessoa que realizou o procedimento pode pegar de um a quatro anos de prisão. Sem o consentimento da mãe, a pessoa que o provocou pode pegar até dez anos de reclusão.

O aborto só não é qualificado como crime em três situações:

1) Quando a gravidez representa risco de vida para a gestante.

2) Quando a gravidez é o resultado de um estupro.

3) Quando o feto for anencefálico, ou seja, não possuir cérebro. Esse último item foi julgado pelo STF em 2012 e declarado como parto antecipado com fins terapêuticos.