Aviões e navios de guerra chineses avançam sobre limites marítimos de Taiwan

Agência estatal da ditadura chinesa divulgou fotos dos exercícios militares Reprodução Xinhua

Exercícios militares que ameaçam à ilha ocorrem depois da visita-provocação de Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, à Taiwan.

Pelo menos 13 embarcações de combate e 68 aviões de guerra avançaram a linha mediana que separa os limites marítimos entre a China e Taiwan, segundo o governo autônomo da ilha nesta sexta-feira, dia 6 de agosto. A Xinhua, agência estatal da ditadura comunista chinesa publicou que disparou mísseis no espaço aéreo da ilha na quinta-feira, em represália pela visita da presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, a Taiwan.

Na quinta-feira 4, o Exército chinês começou exercícios militares, disparando mísseis balísticos e munição real nas águas ao redor de Taiwan, ilha de governo autônomo, de 23 milhões de habitantes, que a ditadura comunista chinesa considera parte de seu território. Pelo menos cinco mísseis caíram na zona exclusiva de exploração japonesa, o que resultou em um protesto diplomático do Japão contra a China.

“ – Vários grupos de aviões e navios de guerra chineses realizaram exercícios ao redor do Estreito de Taiwan e cruzaram a linha do meio do estreito”, disse o Ministério da Defesa de Taiwan, em comunicado. “ – O exercício militar chinês, seja lançando mísseis balísticos seja cruzando deliberadamente a linha mediana do estreito, é um ato altamente provocativo.”

John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, em entrevista, na quinta-feira, afirmou que um porta-aviões norte-americano permaneceria na área ao redor de Taiwan por mais alguns dias, para “monitorar a situação”.

Tudo leva a crer que deve ocorrer com Taiwan, o mesmo que ocorreu com a Ucrânia, que foi levada pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) – que tem os EUA e os principais países europeus como cabeças – a provocar outro ditador de matriz comunista, Vladimir Putin, a iniciar uma guerra. Taiwan deve ser a próxima peça do dominó comunoglobalista a cair nas redes da Nova Ordem Mundial.