Bolsonaro decreta luto oficial de 3 dias pela morte de Shinzo Abe

Presidente descreveu líder japonês como um “grande amigo do Brasil”

 

O presidente Jair Bolsonaro (PL) decretou luto oficial de três dias em memória do ex-primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, assassinado na sexta-feira, dia 8 de julho, enquanto fazia um discurso na cidade de Nara, no Oeste do Japão.

Bolsonaro classificou o caso como “uma crueldade injustificável” e desejou “que o assassinato seja punido com rigor. Estamos com o Japão.”

Nas redes sociais, Bolsonaro descreveu o líder japonês como um “grande amigo do Brasil”.

“Me traz à memória os momentos que tive com ele no Brasil e no Japão e o carinho que temos com a comunidade japonesa que vive no nosso país”, disse Bolsonaro durante discurso em Pirassununga(SP). E acrescentou:

“Um homem afável, inteligente, patriota, que em todas as vezes em que estivemos juntos buscou o bem-estar da sua população, bem como ouvindo o que poderia colaborar para com o nosso povo brasileiro.

Bolsonaro e o então premiê do Japão, Shinzo Abe, no G20 em Osaka, em 2019

 

 

 

 

Horas antes, Bolsonaro havia manifestado seu pesar diante da notícia da morte de Abe:

“– Recebo com extrema indignação e pesar a notícia da morte de Shinzo Abe. Líder brilhante e que foi um grande amigo do Brasil. Estendo à família de Abe, bem como aos nossos irmãos japoneses, a minha solidariedade e o desejo de que Deus cuide de suas almas neste momento de dor”,  escreveu o presidente.

Lamentando a morte de Abe, Bolsonaro fez um referência indireta à facada que recebeu do esquerdista Adélio Bispo,  em Juiz de Fora (MG), no dia 6 de setembro de 2018.

“É o preço por lutar pelo seu país. Muitas vezes, ou na maioria das vezes, o inimigo não está lá fora, está dentro da nossa pátria”, sentenciou Bolsonaro.