Bolsonaro e Benitez lançam obra da Ponte Bioceânica em janeiro

Mario Abdo Benitez, presidente do Paraguai, e o presidente Jair Bolsonaro. (Antônio Cruz/Agência Brasil)

Mario Abdo Benitez, presidente do Paraguai – durante visita ao Brasil-  e o presidente Jair Bolsonaro (Antônio Cruz/ABr)

Compromissos dos presidentes exigirá definição de nova data
Silvio Ferreira

Adiado para janeiro, em data ainda não divulgada, o lançamento da pedra fundamental da ponte da Rota Bioceânica entre a cidade sul-mato-grossense de Porto Murtinho e Carmelo Peralta, no Paraguai. O adiamento acontece por conta da agenda dos presidentes Jair Bolsonaro, do Brasil e Mario Abdo Benítez, do Paraguai, junto ao Prosul, bloco criado em 2019 para substituir o Unasul.

De acordo com o governo do Estado “É um problema de agendamento entre os dois presidentes. No começo de janeiro teremos a ordem de serviço e o início da construção da ponte”, explicou o secretário Jaime Verruck (Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

A ponte será construída entre a cidade sul-mato-grossense de Porto Murtinho e Carmelo Peralta, no Paraguai e é considerada peça-chave – a principal obra – da Rota Bioceânica que vai dar acesso aos produtores brasileiros, em especial da região Centro-Oeste, ao Oceano Pacífico, via Paraguai, Argentina e finalmente, portos chilenos de Antofagasta e Iquique, no Chile, reduzindo drasticamente as distâncias e o valor do frete das exportações e importações de produtos entre os mercados brasileiro e asiático e da Oceania.

Obra vai ligar a cidade sul-mato-grossense de Porto Murtinho e Carmelo Peralta, no Paraguai (Chico Ribeiro/Portal MS)

Segundo o governo do Estado, a ponte Bioceânica terá 680 metros de comprimento, duas pistas de rolagem de veículos de passeio e caminhões, com 12,5 metros de largura, e duas passagens nas laterais, com 2,5 metros cada uma, para o trânsito de pedestres e ciclistas.

A obra terá o investimento de 616.386.755,744 guaranis (quase meio bilhão de reais), a serem pagos pela Itaipu Binacional. Vencedor da licitação para a execução da obra, o consórcio Paraguai-Brasil – composto pelas empresas Tecnoedill Constructora S.A, Cidade Ltda e Paulitec Construções – terá 1.080 dias para concluir o empreendimento.