Bolsonaro: ‘Forças Armadas, obstáculo ao Socialismo’

Presidente recebeu apoio da maior entidade representativa do Agronegócio brasileiro e rebateu críticas às Forças Armadas: “Obstáculo para o Socialismo”

 

Durante o Encontro Nacional do Agro, nesta quarta-feira, dia 10 de agosto, promovido pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em Brasília (DF), quando o presidente Jair Bolsonaro recebeu o apoio declarado de mais de 3,5 mil produtores rurais e lembrou que as Forças Armadas são o último obstáculo ao Socialismo.

“ – Eles sabem que as Forças Armadas são o último obstáculo para o socialismo. Por isso, o ataque e a criação da Defesa (ministério) em 1989, não por necessidade militar, mas por necessidade política de tirarem os militares da negociação”, declarou o Presidente da República.

Bolsonaro também criticou quem o ataca pelo grande número de militares que integram o governo:

“ – Se o povo quisesse ladrão, tinha votado na esquerda lá atrás”, disse.

“Povo armado jamais será escravizado: comprem armas!”

Bolsonaro defendeu os decretos que assinou para facilitar o acesso aos armamentos, como o trâmite de registro dos colecionadores, atiradores desportivos e caçadores (CACs) e o direito de produtores rurais de defenderem suas propriedades e os estimulou a adquirirem armas:

“ – Povo armado, jamais será escravizado!”, lembrou o presidente. Comprem suas armas, comprem suas armas. Isso também está na Bíblia, lá no ‘Pedrão: ‘Vendam suas capas e comprem espadas’ (referindo-se à passagem de Lucas 22:34-36, em que Jesus diz a Pedro e aos apóstolos: ‘Se não têm espada, vendam a sua capa e comprem uma.’) “Nós não somos cordeiros, não queremos ser lobos também, mas jamais seremos cordeiros de dois ou três”, declarou.

“ – Vamos dizer que a nossa liberdade é sagrada e não tem limites. Não tem esse papinho de fake news. ‘Ah, ele fez fake news.’ Ah, vá para a… vá para a ponta da praia! O problema do Brasil é fake news agora?”, acrescentou.

Acompanhado pelo candidato a vice, general Braga Netto, pelo chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno e pelos ministros da Agricultura e Pecuária, Marcos Montes; Meio Ambiente, Joaquim Leite, e da Justiça, Anderson Torres; e pelo presidente da Petrobras, Caio Mário Paes de Andrade.

Durante discurso, Bolsonaro também atacou o ex-presidiário Luiz Inácio Lula da Silva (PT):

“ – A proposta de regulação da produção agrícola o cara [Lula] já tirou do plano dele”, afirmou. “Malandro, como sempre – sem caráter – um bêbado que quer dirigir o Brasil”.