Bolsonaro prova que em 2 anos Executivo gastou menos que Temer e Dilma

Bolsonaro foi sarcástico com mais uma falsa narrativa da maior parte da Imprensa, ao fazer a tradicional transmissão das quintas-feira pelas redes sociais com uma lata de leite condensado sobre à mesa. 

 

Em entrevista à rádio Jovem Pan, durante a tradicional transmissão ao vivo realizada às quintas-feiras pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro rebateu às narrativas de parte da Imprensa sobre supostos gastos irregulares do governo com gêneros alimentícios em 2020, apresentando números que atestam que as despesas com gêneros alimentícios nos primeiros dois anos de seu governo ficaram  abaixo das registradas durante os governos Dilma Rousseff e Michel Temer.

Acompanhado pelo ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, o presidente citou os valores das despesas com gêneros alimentícios nos 2 últimos anos, com relação às dos governos Dilma e Temer, maiores que os do seu governo. Rosário explicou que os gastos do governo Bolsonaro têm sido reduzidos e são criteriosos em razão do teto de gastos, que limita o crescimento de gastos à variação da inflação.

Wagner Rosário revelou que recebeu a orientação do presidente de “varrer todos os sistemas” do governo para checar os valores e destacou que não houve “ilegalidade” nos gastos. E ainda avaliou, com ironia, que o órgão de Imprensa que iniciou a polêmica fez uma “interpretação equivocada” de dados do painel Painel de Compras do Ministério da Economia, já que citou o que o governo licitou, não o que de fato comprou. E ainda observou que a plataforma agrupa itens e pode replicar valores.

Na quarta-feira (27), durante almoço em uma churrascaria, ao lado de ministros, políticos aliados, empresários e artistas da música sertaneja, entre outros, Bolsonaro xingou à Imprensa, indignado com a cobertura tendenciosa e distorcida dos fatos feita pela maior parte da imprensa.

Em nota divulgada nesta quinta-feira (28), o Ministério da Defesa informou que, em relação às compras com leite condensado, “o valor total gasto pelas Forças Armadas, em 2020, foi de R$ 1.784.617,64. Mas a publicação do site Metrópoles, que iniciou a polêmica, em nenhum momento citou que os alimentos adquiridos pelo governo federal atendem a todos os órgãos que compõem a estrutura do Poder Executivo Federal (Presidência, vinte e três ministérios e ainda todo o contingente das Forças Armadas),  totalizando um contingente de mais de 1 milhão de servidores e militares.