‘Eleição de Lula seria a Ruína da Nação’, publicou ministro

Ministro Paulo Sérgio: "O texto é muito bom!" Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil

Mensagem compartilhada pelo ministro da Defesa – de autoria outro general – reflete sentimento generalizado entre as Forças Armadas

 

Uma eventual vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições de outubro “será o desastre e a ruína moral da nação e de suas instituições”. A  afirmação é de um texto compartilhado via WhatsApp, na noite de sábado, dia 9 de junho, pelo ministro da Defesa e ex-comandante do Exército Brasileiro, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira.

De acordo com o jornal O Globo, o artigo “Lula presidente – Ruína moral da nação e das instituições”, compartilhado pelo ministro da Defesa, é de autoria do general da reserva Luiz Eduardo Rocha Paiva, ex-comandante da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército. Paiva, que publicou o texto originalmente no  Facebook, é diretor de Geopolítica e Conflitos, do Instituto Sagres, integrado por militares da reserva.

O texto afirma:

“– Condenado por unanimidade em três instâncias da justiça e descondenado com base em questões formais de discutível legitimidade, criou-se uma situação de extremo embaraço para as FA (Forças Armadas). Como promover o culto a valores morais, cívicos e éticos, ao mesmo tempo em que se submeteriam e prestariam honras militares a um comandante supremo
com o histórico de Lula? Quais os reflexos na coesão, disciplina, autorrespeito e autoestima nas FA?”, questiona a mensagem.

O texto lembra uma declaração do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, que reconheceu no mês passado que “ninguém pode esquecer que houve corrupção no Brasil.”

O texto chega a uma conclusão inevitável: O Brasil é uma “pseudodemocracia.”

“– Caso a Nação o eleja (Lula) em 2022, o Brasil passará um atestado de indigência moral, ferindo de morte o seu futuro. […) Injustificável a adesão ou a leniência de segmentos da sociedade, inclusive de grande parte da mídia e de empresários, aos desígnios de um político inconfiável como Lula. Na realidade, as instituições não funcionam e, por isso, o Brasil é uma pseudodemocracia”, concluiu o texto.

Questionado sobre a mensagem, o ministro da Defesa limitou-se a afirmar que “o texto é muito bom” e que o autor “é uma das maiores inteligências da história do Exército”.

Contra fatos, não há argumentos.