Ex-diretor da Petrobras indicado por Lula deve devolver R$ 975 milhões de propina

TCU dá 15 dias para que Duque tente explicar propinas de quase R$1 bilhão desviadas de refinarias paralisadas

Com informações Revista Oeste

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou que Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras, indicado por Lula, devolva
aos cofres públicos R$ 975 milhões em desvios e propinas das obras das refinarias Premium I e II, projetos que foram paralisados em Bacabeiras (MA) e Caucaia (CE), respectivamente.

Duque foi indicado por Lula para a Petrobras e comandou a diretoria de serviços da empresa entre 2003 e 2015 — já no segundo mandato de Dilma Rousseff –, quando ajudou a operar esquema de corrupção que drenou bilhões da empresa.

Renato Duque foi condenado a 12 anos e nove meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, em investigações ligadas à Operação Lava Jato. Em 2020, o ex-diretor da Petrobras foi autorizado a responder pelos crimes em liberdade.

É a segunda vez que o Tribunal de Contas cobra explicações do ex-diretor neste ano. Desta vez, o TCU deu 15 dias para que Duque apresente alegações de defesa.  Caso o executivo não consiga comprovar a lisura de processos das obras, vai ser cobrado judicialmente pela devolução.

As refinarias da Petrobras começaram a ser construídas no fim do governo Lula. Em 2015, já com Dilma no poder, a empresa cancelou as duas obras, uma em Bacabeiras (MA) e outra em Caucaia (CE), gerando um prejuízo de R$ 2,7 bilhões, com serviços de terraplanagem já realizados e materiais comprados, que se transformaram em ferrugem.