Governo assina parceria para levar internet 5G para todo MS

Projeto deve universalizar acesso à rede mundial de computadores nos 79 municípios do estado

 

Na manhã desta quarta-feira, dia 14 de junho, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), e Ricardo Scheffer, CEO da Sonda Brasil, assinaram, no Gabinete Receptivo do Parque dos Poderes, o contrato de concessão administrativa de Parceria Público-Privada (PPP) para a implementação da Infovia Digital de MS ( construção, operação e manutenção da rede de fibra óptica) para interligar os 79 municípios e todos os equipamentos das unidades públicas estaduais de Mato Grosso do Sul.

Apesar da estimativa inicial publicada pelo portal de Parcerias Estratégicas do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, de que o investimento inicial seria da ordem de R$760 milhões, o leilão, realizado no dia 17 de março na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa/B3) foi anunciado como tendo sido realizado com deságio de 53,04% e investimento da ordem de R$ 887 milhões (R$ 306 milhões para a infraestrutura e R$ 581 milhões para operação e manutenção), por um prazo contratual de 30 anos.

Legado das PPPs

A Infovia Digital foi classificada pelo governador como “um dos dois maiores legados do governo de MS com PPPs, juntamente com a expectativa de levar Esgotamento Sanitário para todos os municípios do estado”. Durante a assinatura do contrato de concessão, o governador citou o sucesso de recentes negociações para a instalação no estado de uma empresa multinacional de alta tecnologia, que emprega sistemas de automação, tecnologia da informação e da chamada ‘Internet das Coisas’ – característicos da chamada Indústria 4.0 – que colocou como pré-condição para a vinda para MS, “a elevação da qualidade da internet no estado” com tecnologia 5G.

Prós
Segundo o CEO da Sonda Brasil, Ricardo Scheffer, “a Infovia MS deve permitir a expansão da capacidade da rede para a futura implantação de serviços de alta demanda de banda, aperfeiçoando serviços como o da telemedicina, por exemplo.” O projeto deve garantir a disponibilização comercial de banda para provedores locais em todos os municípios e trazer um diferencial competitivo para atração de novos investimentos privados para MS.

O projeto prevê a construção de um Centro de Operações de Rede (COR) em Campo Grande; a instalação de 6.950 Km de fibra óptica, 1.500 pontos de acesso que atenderão todos os órgãos e entidades do Poder Executivo (secretarias, autarquias e fundações; escolas e universidades estaduais; agências fazendárias, hospitais regionais e estabelecimentos penais; delegacias de polícia, defensorias públicas e procuradorias do Estado), além de disponibilização de acesso à internet gratuito, via wi-fi, em 119 praças públicas das 79 cidades de Mato Grosso do Sul, com o aumento da velocidade média de transmissão de dados no estado de 4MBps para 30MBps e da capacidade total de transmissão de dados dos atuais 4Gbps para 215 Gbps.

Contras
Reportagem publicada pelo jornal O Estado no dia 1º de junho, revelou que a Associação dos Provedores de Internet de Mato Grosso do Sul (API-MS) protocolou um pedido junto ao Tribunal de Justiça (TJMS) reivindicando que o resultado do leilão da Infovia Digital MS fosse sustado. A ação alegava que “empresas locais ou uma multinacional com representação já existente em MS, poderiam suprir a demanda do Estado se fossem contratadas por meio de licitações comuns.”

A API-MS afirmava ainda na reportagem que: “Em Mato Grosso do Sul, os provedores de internet locais já oferecem links de qualidade para conexão em todo o território. É um projeto irreal e completamente desnecessário, que irá gastar rios de dinheiro público de forma irresponsável”, afirmou a nota da API-MS. A entidade fez ainda uma previsão pessimista: “O projeto representará a perda de milhares de empregos, destruição financeira de centenas de empresas de Telecom e nenhum avanço em termos de conexão e conectividade”.

“Precisamos proteger o segmento, os empregos gerados, as pessoas beneficiadas na realidade, não no papel. Em Mato Grosso do Sul são mais de 300 empresas de provedores de internet, fibra óptica e rádio. Nosso segmento está muito fortalecido e disposto a lutar pelo correto”, destacou na ocasião, o presidente da API-MS, Dário Burda Jr. que, com a ação, esperava conseguir a interrupção do processo de concessão, mas não obteve sucesso em impedir a assinatura do contrato de concessão, realizado na manhã desta quarta-feira.