Irmãos assumem assassinatos de jornalista britânico e de ex-funcionário da Funai

O jornalista britânico Dom Phillips e o indigenista brasileiro Bruno Pereira.

Dupla revela ter assassinado, esquartejado, queimado e enterrado restos mortais do jornalista britânico Dom Phillips e do ex-funcionário da Funai, Bruno Pereira

A Polícia Federal realizou no final da tarde desta quarta-feira, dia 15 de junho, uma coletiva de Imprensa para comunicar que foram encontrados restos mortais no local indicado pelos irmãos Osney e Amarildo da Costa Oliveira, presos pelo desaparecimento do jornalista britânico Dom Phillips e do ex-funcionário da Fundação Nacional do Índio (Funai), Bruno Pereira.

Osney e Amarildo teriam confessado ter assassinado, esquartejado e queimado  os restos mortais dos desaparecidos na reserva indígena do Vale do Javari, na Amazônia.

Na tarde de hoje, a dupla indicou a agentes da instituição o local onde os restos mortais teriam sido enterrados.

Osney, preso na terça-feira, teria revelado à PF detalhes dos crimes cometidos por ele e o irmão, Amarildo da Costa, preso na quarta-feira passada, dia 8 de junho.

A motivação dos crimes não foi informada. Os restos mortais das vítimas serão submetidos à exames periciais e as investigações seguem em sigilo.

O jornalista britânico Dom Phillips e o ex-funcionário da Funai, Bruno Pereira, entraram na reserva indígena, uma região de floresta extremamente fechada e de difícil acesso, sem comunicação prévia ou permissão das autoridades brasileiras e foram considerados  desaparecidos no último domingo.

Desde então, o governo federal mobilizou efetivos das Forças Armadas e da Polícia Federal nas buscas pelos desaparecidos, até o desfecho anunciado nesta quarta-feira.

A reserva indígena, na fronteira com Peru, é uma região marcada pela presença de narcotraficantes, piratas que assaltam embarcações nos rios  amazônicos, garimpeiros e pescadores ilegais.