Jornal Nacional recua e anuncia entrevista com Bolsonaro

Bolsonaro, antes de atropelar Bonner e Renata Vanconcellos em 2018, no decadente Jornal Nacional. Foto: João Cotta Globo

Emissora havia cancelado entrevista simplesmente pelo fato de assessoria do Presidente ter cogitado entrevista no Palácio da Alvorada.

 

A produção do Jornal Nacional, da Rede Globo, voltou atrás na decisão de cancelar a entrevista com o Presidente da República, Jair Bolsonaro, na série com candidatos das eleições deste ano. A emissora, que atua como um órgão de extrema-esquerda inimigo de Bolsonaro desde antes das eleições de 2018, tentou justificar a atitude alegando que “em e-mail enviado no fim da noite de quinta-feira, a assessoria manifestava a disposição de Bolsonaro de conceder a entrevista, mas no Alvorada, alegando que, ‘em função da campanha e de compromissos assumidos anteriormente, a agenda presidencial impossibilita a ida ao Rio, no dia 22 de agosto’”, explicou em nota.

Lacração
Em resposta ao e-mail, a emissora cancelou unilateralmente a entrevista, alegando que pelas regras das entrevistas, os presidenciáveis devem comparecer aos estúdios do noticiário “de forma a demonstrar que todos os candidatos são tratados em igualdade de condições”. A nota informou ainda como o “mal-entendido” foi esclarecido:

” – Na manhã de sexta-feira, porém, a assessoria explicou que o e-mail tinha apenas o objetivo de manifestar uma preferência, mas que o candidato não se recusava a ir ao Rio de Janeiro para a entrevista. Sendo assim, a Globo confirma a entrevista de Jair Bolsonaro no próximo dia 22 no Rio de Janeiro.”

“Sorteio” colocou Bolsonaro como primeiro entrevistado

Um sorteio realizado pela emissora definiu que Bolsonaro será o primeiro candidato a ser entrevistado pelo telejornal, em 22 de agosto. O Presidente participou da mesma sabatina durante a campanha de 2018, quando William Bonner e Renata Vasconcellos tentaram encurralar Bolsonaro. Foi uma péssima ideia, já que o então candidato massacrou os entrevistadores, ao destacar a decadência e a descrédito em que o principal telejornal da emissora mergulhou por sua manipulação tendenciosa e intelectualmente desonesta dos fatos e ainda a hipocrisia do discurso feminista de Renata Vasconcellos, que Bolsonaro desancou ao afirmar que ela, apesar de ser apresentadora do mesmo telejornal, “certamente ganhava menos que Bonner.”

Após a entrevista de Bolsonaro, no dia 22 de agosto, serão entrevistados, Ciro Gomes na quarta-feira, dia 24 de agosto, Lula no dia 25 e Simone Tebet, no dia 26.