Mais de 300 funcionários do TikTok trabalharam para ditadura chinesa

Autoridades dos EUA – desde o governo de Donald Trump e ainda hoje – alertam sobre a ameaça à Segurança Nacional que o aplicativo representa. Proprietária do Tik Tok admite que contratação de funcionários da ditadura comunista ocorre em todos os países em que aplicativo está presente.

 

A revista Forbes pesquisou centenas de perfis no LinkedIn de funcionários da ByteDance, empresa de tecnologia chinesa proprietária do aplicativo TikTok e descobriu que pelo menos 300 funcionários da empresa já trabalharam para a Agência de Notícias Xinhua, para a Rádio Internacional da China ou para a Televisão Central da China/China Global”, mídias estatais da ditadura comunista chinesa. Quinze deles trabalham atualmente tanto para a empresa quanto para as agêncjas estatais.

O Departamento de Estado dos EUA rotulou essas organizações como “funcionários do governo estrangeiro” e o TikTok está sob crescente investigação à medida que as autoridades dos EUA – desde o governo de Donald Trump – continuam alertando sobre a ameaça à Segurança Nacional que o aplicativo representa: o comissário da Comissão Federal de Comunicações (FCC), agência reguladora do setor nos EUA), Brendan Carr, pediu em junho aos CEOs do Google e da Apple que removessem o aplicativo de suas lojas, citando relatórios que sugerem que o aplicativo coleta “faixas de dados sensíveis.”

“ – O TikTok não é o que parece ser na superfície. Não é apenas um aplicativo para compartilhar vídeos ou memes divertidos. Isso é a pele das ovelhas”, escreveu Carr.

“ – Em sua essência, o TikTok funciona como uma ferramenta de vigilância sofisticada que coleta grandes quantidades de dados pessoais e confidenciais”.

A porta-voz da ByteDance, Jennifer Banks, disse à Forbes que a contratação é decidida “puramente pela capacidade profissional de um indivíduo para fazer o trabalho”.

“ – Para nossos negócios no mercado chinês, isso inclui pessoas que já trabalharam em cargos governamentais ou de mídia estatal na China”, disse ela.

“ – Fora da China, os funcionários também trazem experiência em organizações governamentais, de políticas públicas e de mídia de dezenas de mercados.”

Banks afirmou que a ByteDance “não permite que os funcionários tenham empregos secundários ou de meio período ou qualquer atividade comercial externa” em resposta aos 15 perfis de funcionários simultâneos da mídia estatal ByteDance-chinesa, dizendo que isso “causaria um conflito de interesses”.

O TikTok admitiu recentemente que funcionários fora dos EUA podem acessar informações do usuários, mas insistiu que esse acesso exigia “protocolos e autorização de segurança cibernética robustos” de sua equipe de segurança dos EUA.

Documentos internos vazados do TikTok também mostram que a empresa pressionou ativamente os funcionários a “minimizar a associação da China” para ajudar a lidar com a crescente atenção e críticas.