Marco Aurélio: ‘TSE pode incendiar o País se negar registro a Bolsonaro’

O ex-ministro Marco Aurélio Mello: "Negar o registro a Bolsonaro incendiaria o País!"

Para ex-ministro do STF e ex-presidente do TSE, decisão da corte seria ‘desastrosa’: “Seria o caos!”

Marco Aurélio de Mello, ex-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), alertou nesta quarta-feira, dia 3 de agosto, que se o tribunal negar o registro de candidatura à reeleição do presidente Jair Bolsonaro os togados podem “incendiar o País.”

A hipótese, que já havia sido cogitada pelo jornalista Cláudio Humberto, da coluna Diário do Poder, foi discutida durante entrevista de Marco Aurélio de Melo ao jornalista para a Rádio Bandeirantes nesta quarta-feira, dia 3 de agosto. A Rádio Bandeirantes – sem justificativas, até o momento – não postou a entrevista do ex-ministro, mas tão somente o comentário posterior do colunista Cláudio Humberto sobre a entrevista, durante o programa Bastidores do Poder.

“ – Seria desastroso”, enfatizou Marco Aurélio ao ser questionado pela possibilidade que estaria sendo cogitada pelos togados. Marco Aurélio lamentou o clima de guerra entre os ministros esquerdistas do STF e do TSE e o Presidente da República, apelando para o preceito constitucional de relação harmônica entre os Poderes.

As eleições de outubro terão Alexandre de Moraes na presidência rotativa do TSE, que o presidente Jair Bolsonaro acusa de “perseguição implacável” ao Chefe do Executivo, o que o coloca em clara condição de suspeição jurídica para julgar qualquer questão relativa ao Presidente da República.

O erro de Barroso

Marco Aurélio considerou que o ex-presidente do TSE, Luiz Roberto Barroso, errou ao convidar as Forças Armadas para integrar Comissão de Transparência das Eleições. Sobre o convite, o Presidente da República – que pela Constituição Brasileira, é também o Comandante Supremo das Forças Armadas – declarou: “Luiz Barroso se enganou se acreditou que, depois de convidadas, os militares aceitariam fazer um papel meramente figurativo nas Eleições, dando ao processo eleitoral um verniz de legalidade. Foram convidadas e agora participaram de todo o processo eleitoral”.

O ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira também declarou nesse sentido:  ” – As Forças Armadas fiscalizarão todo o processo eleitoral, da lacração das urnas, à apuração dos votos.”

Em outro trecho do programa Bastidores do Poder na Rádio Bandeirantes, Cláudio Humberto ainda desmontou outra mentira que a Velha Imprensa Vermelha do país conta: a de que as Forças Armadas estariam invadindo atribuição do TSE. Nas palavras do comentarista:

” – As Forças Armadas foram convidadas. E missão dada, é missão cumprida!”