Marcos Valério:  ‘PCC financiava PT’

Marcos Valério na Polícia Federal. (Reprodução Redes Sociais)

Valério revelou como dinheiro do tráfico financiava políticos do PT. E que Celso Daniel teria sido torturado e assassinado por ter feito dossiê que dava ‘nome aos bois’ no esquema.

 

Em delação premiada à Polícia Federal (PF), o  publicitário Marcos Valério, condenado a 37 anos de prisão por ter sido o operador do PT no esquema de corrupção do Mensalão durante o governo Lula, o publicitário Marcos Valério revelou à Polícia Federal, que Ronan Maria Pinto, empresário do ramo dos transportes,  chantageava Luís Inácio Lula da Silva, para não revelar que o Partido dos Trabalhadores recebia dinheiro de narcotraficantes do Primeiro Comando da Capital (PCC), afirma Marcos Valério em depoimentos revelados pela revista Veja.

Valério relatou que o dinheiro do narcotráfico chegava ao PT  por um esquema criminoso de “arrecadação” em empresas de ônibus e de transporte clandestino e  a lavagem do dinheiro era feita por meio de bingos, que por sua vez, faziam “doações de campanha” para o PT.

À Polícia Federal, Valério informou que soube da chantagem por meio do ex-secretário-geral do PT, Sílvio Pereira, que teria relatado que Ronan ameaçava revelar o esquema de lavagem de dinheiro do PCC para financiar políticos do Partido dos Trabalhadores (PT).

Valério fez também revelações à Polícia Federal sobre o assassinato do então prefeito de Santo André, Celso Daniel. Valério revelou que o prefeito petista foi torturado antes de ser assassinado, em janeiro de 2002, por ter produzido um dossiê em que detalhava os nomes de todos os demais petistas que eram  financiados pelo dinheiro do tráfico de drogas do PCC.

Segundo Valério, Daniel só não sabia que o esquema de arrecadação de dinheiro de empresas de ônibus, não beneficiava apenas à alta cúpula do PT, mas também a um grupo de vereadores e deputados do partido ligados diretamente ao PCC.

Segundo Marcos Valério, com o assassinato de Celso Daniel, em uma queima de arquivo, o dossiê teria desaparecido, segundo Marcos Valério.