Moraes ameaça cassar candidato que for acusado de divulgar Fake News

Moraes fez as ameaças nesta terça-feira, diante de diplomatas de 68 países, no auditório do TSE

‎Ditadura da Toga

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF),  e vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes – que estará à frente da Corte eleitoral durante as eleições deste ano – ameaçou cassar o registro eleitoral de candidatos que compartilharem o que os “iluministros” do TSE decidirem classificar como “informações falsas” sobre a disputa eleitoral nas redes sociais.

Segundo Moraes, a jurisprudência do Tribunal abriu caminho para que o tribunal casse a candidatura de quem os ministros decidirem enquadrar por “abuso de meio de comunicação”.

“– Aqueles que se utilizarem desses instrumentos (disparos de notícias falsas) podem ter o registro de suas candidaturas cassado, ou mesmo
perder o mandato”. E acrescentou:

“– Notícias fraudulentas divulgadas por redes sociais, que influenciem o eleitor, acarretarão na cassação do registro daquele que a veiculou”.

Moraes fez as ameaças nesta terça-feira (31), durante o encerramento de um evento voltado para diplomatas de 68 países, dentro do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), realizado no auditório do TSE, em que os participantes assistiram a apresentações sobre as eleições no Brasil e as polêmicas urnas de primeira geração, que além de usadas no Brasil, são empregadas apenas por países ainda mais atrasados: Butão e Bangladesh.

Dirigindo-se a diplomatas de outros países durante reunião em Brasília, Moraes declarou que “a Justiça Eleitoral brasileira está preparada para combater as milícias digitais” —  figura de ficção que não existe no ordenamento jurídico brasileiro –, organizações que supostamente financiam o compartilhamento em massa de informações falsas sobre às eleições. Moraes estâ à frente do inquérito que investiga a existência desses grupos no STF.