Moraes manda PT apagar acusação falsa contra Bolsonaro sobre venezuelanas – VEJA O VÍDEO

Presidente já desmentiu notícia criminosa sobre visita à casa de jovens venezuelanas – em que foi acompanhado por assessores –  que foi transmitida em live nas redes sociais e simultaneamente pela CNN
 

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, determinou neste domingo, dia 16 de outubro, que as redes sociais TikTok, Instagram e LinkedIn; Facebook e Youtube, Telegram e Kway retirem do ar vídeos editados criminosamente pela campanha de Lula, premeditadamente tirados do contexto, que insinuavam que o Presidente da República Jair Bolsonaro (PL), que meninas venezuelanas de 14 e 15 anos.

Moraes considerou que as postagens traziam “fato sabidamente inverídico, com grave descontextualização e aparente finalidade de vincular a figura do candidato ao cometimento de crime sexual, parece suficiente a configurar propaganda eleitoral negativa”.

Na decisão, o presidente do TSE cita publicação da presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann. Segundo o ministro, o post de Gleisi se “descola da realidade, por meio de inverdades, fazendo uso de recortes e encadeamentos inexistentes de falas gravemente descontextualizadas do Representante, com o intuito de induzir o eleitorado negativamente, diante da autoria de fato grave (pedofilia)”

Em 10 de abril de 2021, em uma live transmitida pelas redes sociais e simultaneamente pela CNN em 2020, o Presidente fazia um passeio de moto com assessores e apoiadores por cidades satélites de Brasília, quando notou um grupo de adolescentes venezuelanas e pediu para entrar na casa para apresentar a situação social de risco em que as menores estavam vivendo.