Moraes quebra sigilo de assessor direto de Bolsonaro

Na perseguição política comandada por Alexanfre de Moraes, agentes da Polícia Federal tentaram encontrar qualquer irregularidade que pudesse ser usada contra Bolsonaro

 

O íntegrante do STF, Alexandre de Moraes,  determinou nesta segunda-feira, dia 26 de setembro, a quebra de sigilo telefônico do tenente-coronel Mauro Cesar Barbosa Cid, assessor direto do presidente da República, Jair Bolsonaro. A ação do togado pode ter configurado um atentado contra a Segurança Nacional.

Segundo reportagem da Folha de São Paulo, por ordem de Moraes, agentes da Polícia Federal vasculharam mensagens de texto entre o assessor do presidente com outros funcionários da Presidência.

A ação chegou ao cúmulo de detalhar até transferências bancárias e saques de pequenos valores, feitos a partir da conta pessoal do Presidente, para pagamento de despesas da primeira-dama, como cabeleireiro.

Planalto nega qualquer irregularidade

A assessoria da Presidência negou que haja qualquer irregularidade nos gastos e reiterou que os valores têm, como origem, a conta particular do presidente da República.