MS fica em 4º no ranking de empregos no País em 2022

Megainvestimentos no setor de papel e celulose devem manter curva de crescimento

 

Mato Grosso do Sul ocupa o 4º lugar da lista dos estados que mais geram empregos no Brasil em 2022, segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho, divulgados nesta semana. E tendência é de que a curva de geração de empregos continue ascendente, graças a investimentos bilionários anunciados nos últimos meses na indústria de papel e celulose.

Unidade da Suzano, em Três Lagoas (MS) – Araquém Alcântara / Divulgação

O estado tem fechado no azul desde janeiro, quando foram criados 3.475 empregos. Em fevereiro, foram 7.484; em março 5.553; em abril, 2.638 e maio, fechou com 6.644 empregos formais. Assim, de janeiro a maio o Estado criou 25.794 vagas de empregos formais, saldo entre 157.290 contratações e 131.496 demissões, ficando em segundo lugar na geração de empregos no País, com variação relativa de 1,14%, atrás apenas do Espírito Santo (1,52%). Desde dezembro de 2021 a variação sobre o estoque de empregos existentes aumentou em 4,59%. MS ficou atrás somente de Amapá (5,01%), de Goiás (4,87%) e de Mato Grosso (4,68%).

Para o governador Reinaldo Azambuja: “O Estado está equilibrado financeiramente, fazendo investimentos e pagando fornecedores e servidores em dia. Isso reflete na movimentação econômica e dá segurança aos empresários que atuam no Estado e geram oportunidades, empregos e desenvolvimento social”, destacou. Esse contexto favorece novos investimentos privados e o crescimento do emprego formal.

Um exemplo é o balanço positivo entre o número de empresas constituídas e encerradas no estado entre janeiro a maio. Segundo a Jucems (Junta Comercial de Mato Grosso do Sul), o saldo foi positivo em 1.947 empresas (a diferença entre as 3.837 empresas constituídas e as 1.890 empresas fechadas).

A expectativa é que essa curva de geração de empregos continue ascendente, graças a exemplos de investimentos de grande porte, em 2021 e 2022, que produzem um efeito dominó positivo na geração de empregos indiretos, principalmente nos setores de comércio e serviços: A mega fábrica de celulose da Suzano, em Ribas do Rio Pardo – que deve empregar até 10 mil pessoas no pico da obra – e o anúncio da empresa chilena Arauco, de investimentos da ordem de R$ 15 bilhões, com a criação de 12 mil empregos diretos, no município Inocência.