O vídeo que o TSE não quer que você veja

Tribunal Superior Eleitoral proibiu o Ministério da Saúde de transmitir na TV uma campanha contra a poliomielite. Enquanto isso, Brasil já tem o primeiro caso suspeito da doença. 

Revista Oeste

O Tribunl Superior Eleitoral (TSE) proibiu o Ministério da Saúde de transmitir na TV uma campanha para incentivar a vacinação de crianças contra a poliomielite. O material seria publicado na sexta-feira 7, com um pronunciamento do ministro Marcelo Queiroga.

A Secretaria de Comunicação Social pediu autorização para transmitir a peça publicitária em 30 de setembro. Contudo, o presidente do TSE, Alexandre de Moraes, negou a solicitação.

Caso suspeito de poliomielite

O governo do Pará investiga um caso suspeito de poliomielite em uma criança de 3 anos de idade. Se a suspeita for confirmada, seria o primeiro caso da doença registrado no Brasil desde 1989, quando as campanhas de vacinação diminuíram a paralisia infantil no país.

O poliovírus teria sido encontrado nas fezes da criança na quarta-feira 5, mas, como o caso pode também ser indicativo de outras doenças, a Secretaria de Saúde do Pará ainda investiga a ocorrência.

Em 2022, os Estados não alcançaram a meta do Ministério da Saúde de 95% da cobertura vacinal da paralisia infantil. Paraíba (86,8%), Amapá (82,5%) e Alagoas (74,6%) foram os que mais vacinaram, enquanto Pará (38,2%), Distrito Federal (33%) e Rio de Janeiro (30,5%) apresentam as menores taxas de vacinação de crianças contra a pólio.