PGR: Azambuja têm até sexta para informar gastos com hospitais de campanha

Procuradoria Geral da República quer que governadores detalhem uso de dinheiro federal na pandemia

A PGR (Procuradoria Geral da União) enviou, nesta 3ª feira (16/03) ofício ao governador do Estado Reinaldo Azambuja, estabelecendo prazo até sexta-feira (19/03) para que o governador discrimine o uso de recursos federais feitos pelo estado com hospitais de campanha.

O documento assinado pela subprocuradora-geral da República Lindôra Maria Araujo relaciona as informações exigidas: Quantos e quais hospitais de campanha foram construídos no Estado; todas as unidades que ainda estão em funcionamento e, em relação às que foram desativadas, a data e o motivo da desativação.

A PGR solicita ainda informações sobre o uso das estruturas, a destinação dos insumos dos hospitais de campanha desativados e informações sobre eventuais unidades contruídas que nunca tenham entrado em funcionamento.

Contexto

A intimação por informações ocorre no contexto do agravamento da crise do covid-19 em todo o país, com o aumento do número de casos confirmados, de mortes atribuídas à doença e notícias de hospitais superlotados, com leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e enfermaria voltados para a covid-19 lotados.

Os governadores João Doria (do PSDB de São Paulo); Rui Costa (do PT da Bahia); Flávio Dino (do PC do B do Maranhão) e Eduardo Leite (do PSDB do Rio Grande do Sul) – mesmo sem terem prestado contas do destino que deram aos bilhões destinados pelo governo federal emergencialmente aos estados e municípios para o combate do vírus chinês – foram ao Supremo Tribunal Federal (STF) exigir que governo federal, por meio do Ministério da Saúde, financie os leitos para os infectados pelo coronavírus.

A ministra Cármen Lúcia, do STF, acatou os pedidos.