Presidente da Petrobras renuncia, conselho escolhe interino, mas governo reage

Nesta segunda-feira, dia 20 de janeiro, a Petrobras comunicou a renúncia de José Mauro Coelho da presidência da Petrobras e na mesma tarde comunicou à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que o atual diretor-executivo de Exploração e Produção da empresa, Fernando Borges, foi nomeado presidente interino, pelo Conselho de Administração da companhia.

A decisão teria contrariado o Palácio do Planalto, que no início do dia, pretendia confirmar a indicação de Caio Paes de Andrade – atual secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, e já indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para a presidência da Petrobras, logo após a demissão de José Mauro Coelho – para que assumisse interinamente a presidência da empresa.

A decisão teria tentado contornar a intenção do Palácio do Planalto de empossar interinamente a Caio Paes de Andrade, atual secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, comandado por Paulo Guedes. Paes havia sido indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para a presidência da Petrobras, logo após a demissão de José Mauro Coelho, mas há semanas esperava pela aprovação de seu nome pelos conselheiros da Petrobras.

Nos bastidores dessa crise já se ventilava que o principal motivo do atraso da posse de Caio Paes não seriam os trâmites burocráticos da companhia. A posse de um dos auxiliares diretos de Paulo Guedes – e também membro do conselho de administração da Pré-Sal Petróleo SA (PPSA), outra estatal que, assim como a Petrobras, está na agenda de privatizações do governo federal – estaria sendo postergada há semanas por um motivo bem diferente: Caio Paes de Andrade teria a missão do Ministério de Minas e Energia, com sinal verde do Palácio do Planalto – de demitir toda a diretoria e todo o conselho administrativo da petroleira, assim que assumir a presidência da Petrobras.

Mas tanta resistência teria sido um esforço inútil: No final da manhã desta segunda-feira já era dado como certo que o Palácio do Planalto teria confirmado a imediata posse de Caio Paes como interino, mesmo que o Conselho Administrativo da Petrobras tenha se apressado em nomear outro nome para a função.