Putin convoca reservistas e ameaça usar armas nucleares

Presidente russo anunciou a mobilização de 300 mil reservistas do exército para guerra na Ucrânia e ameaça usar armamento nuclear

 

Nesta quarta-feira, dia 21 de setembro, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, fez um pronunciamento à nação em que anunciou a convocação de 300 mil reservistas para reforçar às tropas russas na Ucrânia.

Putin declarou que não está “blefando” ao afirmar que pode usar armas nucleares em resposta ao que chamou de “chantagem” dos países integrantes da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).

O pronunciamento à nação ocorre após críticas e condenações generalizadas, ameaças de mais sanções e até do envio de mísseis de longo alcance – potencialmente nucleares – pela OTAN, para a Ucrânia.

O pronunciamento ao povo russo ocorre simultaneamente à reunião de líderes mundiais durante a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), que acontece na sede da entidade, em Nova York, nos Estados Unidos. Putin não participa do evento.

” – Aqueles que tentam nos chantagear com armas nucleares devem saber que os ventos predominantes podem virar em sua direção”, continuou.

“- E se a integridade territorial de nosso país estiver ameaçada, certamente usaremos todos os meios à nossa disposição para proteger a Rússia e nosso povo.”

Putin declarou que apoiará os supostos referendos anunciados para este fim de semana nas cidades ucranianas  Donetsk e Luhansk, Kherson e Zaporizhzhia, invadidas pela Rússia. Uma vez que os territórios passem a ser considerados como território russo, Putin pode usar qualquer ataque ucraniano aos territórios como uma justificativa para contra-atacar com armas nucleares.

As ameaças acontecem após o início de uma contraofensiva ucraniana que conta com forte apoio militar e logístico dos EUA e países europeus integrantes da OTAN.