Sidagro apresenta dados sobre retomada econômica em Campo Grande

Balanço registra recuperação na geração de empregos

 

Boletim econômico do mês de julho divulgado pela Prefeitura Municipal de Campo Grande – que apura estatísticas sobre a atividade econômica, mercado de trabalho, inflação e movimento do comércio exterior da Capital e alguns dados sobre o Mato Grosso do Sul – apresenta sinais de recuperação da Economia no período pós-pandemia.

Dados da Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Econômico e Agronegócio (Sidagro) apontam que, desde o pico da pandemia de covid-19 em julho de 2020, até o mês de julho de 2022, Campo Grande criou mais de 25 mil novos postos de trabalho.

Segundo a Sidagro, a abertura de novos negócios foi fator determinante para a criação de novas oportunidades no mercado de trabalho no primeiro semestre de 2022.

“Os números positivos são uma somatória de ações, como as capacitações profissionais, melhorias na infraestrutura, implantação do parque tecnológico, aceleração dos processos do Prodes (Programa de Incentivos para o Desenvolvimento Econômico e Social de Campo Grande), afirma a prefeita de Campo Grande, Adriane Lopes.

Recuperação

Boletim Focus do Banco Central divulgado na última segunda-feira, dia 26 de julho, prevê que a atividade econômica do País deve fechar o ano de 2022 com um crescimento de 1,75%. Após sucessivas reduções, a estimativa de crescimento do PIB nacional vem subindo desde fevereiro.

Capital e Mato Grosso do Sul

O boletim da Sidagro destaca que o Produto Interno Bruto (PIB) de Campo Grande funciona como uma espécie de locomotiva da Economia de Mato Grosso do Sul, já que a Capital é responsável por quase 40% do volume de negócios realizados pelos setores de Comércio e Serviços.

P.I.B. de Campo Grande e de MS

Em Campo Grande, as estimativas preliminares da Sidagro indicam que o PIB do município deve crescer quase 3% em 2022. Com o reaquecimento das atividades comerciais e de serviços no Estado nos últimos 12 meses, as projeções para 2022 são ainda maiores: um crescimento superior a 8%.

O boletim da Sidagro destaca que o Produto Interno Bruto (PIB) de Campo Grande funciona como uma espécie de locomotiva da Economia de Mato Grosso do Sul, já que a Capital é responsável por quase 40% do volume de negócios realizados pelos setores de Comércio e Serviços.

Dados da Sidagro do mês de maio revelam que a Capital criou 1.865 vagas no mês de maio, atingindo a marca de 6.907 empregos formais criados nos cinco primeiros meses do ano.

Destes, mais de 4,8 mil foram criados pelo setor de serviços. O comércio foi responsável pela abertura de 967 novos postos de trabalho e a Indústria e Construção Civil, por 1,1 mil novos empregos. Os números sinalizam recuperação da economia da Capital, após o impacto da pandemia da covid-19, que fechou 2.602 postos de trabalho em 2020 e mais de 13 mil vagas em 2021, um recorde negativo para a Capital.

Segundo o titular da Sidagro, Adelaido Vila, a Capital tem apresentado números que apontam para a superação da crise sanitária: “A criação de 25 mil postos de trabalho em Campo Grande do início da pandemia até hoje é uma prova que a economia da Capital suportou bem esse difícil período de dois anos, saindo robustecida para consolidar o crescimento sócio-econômico”.

Comércio Exterior

O Boletim Econômico da Sidagro aponta que, nos últimos 12 meses, a balança comercial de Campo Grande movimentou mais de US$ 1,168 bilhão de dólares entre importações e exportações superando o recorde anterior de 2014. Os principais produtos exportados por Campo Grande no período foram carnes e miudezas comestíveis. Entre os principais produtos importados estão adubos (fertilizantes), combustíveis minerais e óleos minerais.

Os principais destinos das exportações em junho foram Chile, Japão e Tailândia. Os principais fornecedores de Campo Grande no mês de maio foram Canadá (uma dos maiores produtores mundiais de fertilizantes), Estados Unidos e China.

“A atividade econômica aquecida e as boas perspectivas para o agronegócio também tem levado Campo Grande a bater recordes mensais em seu comércio internacional”, afirma o superintendente de Fomento à Indústria, Comércio, Serviços e Comércio Exterior da Sidagro, José Eduardo Corrêa dos Santos.

Ele acrescenta: “Também tem crescido os negócios entre parceiros comerciais que serão beneficiados pela consolidação da Rota de Integração Latino-Americana (RILA), o que deve aumentar a competitividade de nossas empresas”, conclui.