The Economist prevê empate entre Lula e Bolsonaro, mas recua e apaga dado

A esquerdista The Economist previu empate entre Lula e Bolsonaro, mas recuou, apaga dados e mudando o resultado de um dia para o outro

Cristyan Costa – Revista Oeste

O “liquidificador de pesquisas” da revista britânica The Economist informou nesta terça-feira, dia 11 de setembro, que Lula tem 54% das intenções de voto, contra 46% do presidente Jair Bolsonaro. O resultado surpreendeu os leitores, que, no dia anterior, depararam com um placar mostrando empate de 50% entre ambos.

Repercussão no Brasil fez a esquerdista The Economist apagar a publicação, mas o print é eterno

A Economist comunicou que, em dias sem pesquisas, a média é calculada “extrapolando tendências em pesquisas recentes”. “Uma versão anterior da nossa média deixou essa extrapolação muito longe das últimas pesquisas”, observou o instituto. “Ajustamos a maneira como combinamos as pesquisas.”

The Economist compilou pesquisas brasileiras – agora sabemos – falsearam dados escandalosamente durante o primeiro turno, mas repercussão da reportagem no Brasil fez a revista esquerdista apagar a publicação

No primeiro turno das eleições, Lula recebeu 48,43% dos votos válidos, e Bolsonaro 43,20%. Ambos vão se enfrentar em 30 de outubro de 2022.

A Economist não informou quais são as pesquisas que considera em seu “liquidificador”. A revista comunicou só que considera “levantamentos nacionais” para traçar a linha média de intenção de voto.

O resultado do primeiro turno mostrou que os institutos de pesquisa tradicionais erraram os cálculos. Em virtude dos equívocos, senadores conseguiram assinaturas suficientes para abrir uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Pesquisas Eleitorais. Ainda não há data para a instauração da CPI no Senado.