TSE manda redes sociais excluírem imagens pró-Bolsonaro do 7 de Setembro

Em nova medida draconiana, ministro do TSE – amigo íntimo de Lula – determina que redes sociais apaguem imagens de milhões de brasileiros que participaram das manifestações de apoio a Bolsonaro no 7 de Setembro

 

Benedito Gonçalves, integrante do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou nesta quarta-feira, dia 21 de setembro, que as redes sociais
Facebook, Instagram e Twitter, Linkedin e Kwai, apaguem as imagens das comemorações do dia 7 de Setembro, Bicentenário da Independência do Brasil, gravadas na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, e em Copacabana, no Rio de Janeiro, em que milhões de brasileiros se mobilizaram em apoio ao Presidente da República, Jair Bolsonaro. Caso as plataformas descumpram a determinação, serão multadas em R$ 10 mil por dia.

Na decisão, Gonçalves alega que o Chefe do Executivo teria “desrespeitado determinação do tribunal eleitoral que proibiu a  veiculação de imagens”.

” – As postagens utilizam diversos momentos da celebração do Bicentenário da Independência, em que o investigado aparece em momentos nos quais inequivocamente exercia função de chefe de Estado”, alegou o integrante do TSE.

Digno de nota os fatos de que Gonçalves – que integra o STJ por indicação de Lula – chama o Presidente da República de  “investigado” e afirma que nas imagens, Bolsonaro estaria usando “a faixa presidencial.”

Gonçalves estipulou prazo de três dias para que a chapa de Bolsonaro e do candidato a vice, general Walter Braga Netto (PL), se manifeste sobre o caso.

Não é a primeira decisão contrária à campanha de reeleição do Presidente da República proferida por Gonçalves, potencial indicado de Lula ao STF, caso o petralha consiga ser eleito pela “vontade própria” das urnas eletrônicas.

Na cerimônia em que Alexandre de Moraes  assumiu à presidência rotativa do TSE,  cinegrafistas flagraram o nível de intimidade da amizade entre o ex-presidiário “descondenado” e o integrante do TSE: Lula cumprimentou Gonçalves com “tapinhas na cara”.

O mesmo sinal de intimidade e autoridade com que Lula já cumprimentara Alexandre de Moraes pouco antes, ao cumprimentar o togado que assumia a presidência rotativa do TSE.

As censuras recorrentes obtidas junto ao TSE – essa jabuticaba deplorável, que só existe no aparelhado Judiciário brasileiro -, teleguiadas pelo PT, sinalizam o desespero da campanha de Lula em tentar impedir a divulgação ainda mais massiva das publicações da campanha do presidente, que mostram a adesão de milhões de apoiadores de Bolsonaro.