Venda de motos cresceu 34,61% em 1 ano em MS

Venda de motos cresce 34.61% em um ano em MS, segundo a Fenabrave

Percentuais de aumento de vendas no segmento de transporte de produtos apontam para retomada do crescimento econômico

 

O volume global de vendas de veículos em Mato Grosso do Sul registrou um aumento de 3,9% no período de 12 meses fechado em junho. O número de veículos comercializados em todos os segmentos no estado foi de 2.078 unidades, 3,9% maior que as 2.000 comercializadas no mês de junho de 2021, segundo relatório mensal da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

Para o presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Andreta Jr.: “O quadro geral de vendas de veículos no País nos últimos meses aponta para uma ‘recuperação do setor de forma gradual e consistente’.

Motos, comerciais leves e caminhões em destaque

Em Mato Grosso do Sul, os números das vendas de motos, comerciais leves e caminhões parecem ratificar a opinião do presidente nacional da entidade sobre essa retomada econômica. Estes segmentos foram contrapontos para as reduções de vendas em outros segmentos.

Carros de passeio

Em junho foram vendidos 765 carros de passeio, – 10,42% que as 854 unidades comercializadas em maio. Nos últimos 12 meses, o recuo no número de veículos vendidos foi ainda maior: – 15,28% em relação às 903 unidades vendidas em junho do ano passado.

A baixa produção produção e comercialização dos carros de passeio ainda seria reflexo da escassez de chips (semicondutores) no mercado, depois da quebra das cadeias globais de produção pela política de lockdowns, que paralisou a produção da indústria automobilística em todo o mundo.

Com a retomada da produção de semicondutores (chips) ainda em ritmo insuficiente para atender toda a demanda da indústria automobilística, especialistas no setor apontam que as montadoras têm priorizado os chips produzidos para veículos de maior valor agregado, já que, mesmo um automóvel de menor preço pode necessitar de mais de 500 chips.

Essa tendência tem feito com que, há tempos, a expressão “carro popular” caísse em desuso, já que os carros mais acessíveis dentro do port-folio das montadoras no país têm modelos de entrada a partir de R$ 70 mil.

Segundo analistas do setor, a queda nas vendas de carros de passeio continua em decorrência da lei da oferta e procura: a baixa oferta de unidades tem gerado alta de preços.

Motos
Os preços elevados assustam os consumidores que procuram meios alternativos de transporte, principalmente o segmento de motos. Assim, as vendas do segmento continuam aceleradas pela procura pelo meio de transporte mais acessível e econômico e também como um reflexo do avanço do segmento, durante a pandemia, do serviço de entregas – o “delivery” – no qual as motos são usadas como ferramenta de trabalho por trabalhadores autônomos ou informais. O segmento tem o melhor resultado em um ano.

“Mesmo com a dificuldade de crédito que o segmento ainda enfrenta, é, de longe, o que registra o melhor resultado nos emplacamentos em 2022, até o momento. O efeito de substituição, do carro pela moto, em função dos preços dos combustíveis, da queda na renda pela inflação e a priorização do transporte individual, além do aumento dos serviços de entrega, são alguns dos fatores que têm alavancado este segmento”, explica o presidente da Fenabrave, Andreta Jr.

Comerciais Leves
O segmento de veículos comerciais leves – indicadores de aquecimento dos setores de comércio e serviços – registrou um incremento de 31,4% em junho em relação ao mês anterior.

Caminhões
A venda de caminhões – impulsionada principalmente pela pujança da produção agropecuária de Mato Grosso do Sul – registrou aumento de vendas de 10,81% em junho em relação a maio deste ano, quando foram vendidos 74 caminhões.

O percentual do último mês indica uma tendência de rápida aceleração nas vendas para um único mês, já que o acumulado do período de 12 meses fechado em junho foi de 3,8%.

 

 

Fonte: Fenabrave

Segundo o presidente da Fenabrave, apesar de ainda enfrentar falta de peças para alguns modelos, o segmento de caminhões já começa a operar de forma equilibrada, entre oferta e demanda.

“No início do ano, havia muitas entregas represadas, com espera que chegava a 180 dias. Este problema foi contornado e o segmento conseguiu se estabilizar”, afirmou.

Para Andreta Jr. a média diária mensal das vendas no país seria o termômetro dessa recuperação:

“No caso de automóveis e comerciais leves, por exemplo, o volume saltou de 5.550 unidades, em janeiro deste ano, para 8.270, em junho. Se mantivermos a mesma média diária de junho, até o final deste ano, teremos um desempenho anual muito próximo ao resultado obtido no ano passado, numa estimativa moderada, já que o 2º. semestre costuma ser melhor do que o 1º. semestre, historicamente”, analisa o Presidente da Fenabrave.

Ônibus
O segmento de ônibus em Mato Grosso do Sul – que registra alguns dos menores números nominais de vendas entre todos os segmentos, mas com unidades de maior valor agregado – comercializou sete veículos no mês de junho. Seis unidades a mais que no mês de maio deste ano, quando apenas uma unidade foi comercializada. O que representou o maior aumento percentual nominal entre todos os segmentos em um mês: 600%.

No acumulado dos últimos 12 meses, o segmento acumulou vendas de 181 unidades nos últimos 12 meses, o que representou um aumento idêntico ao registrado no segmento de caminhões no período: 3,8%.